Diálogos Transversais: A História Indígena e a educação patrimonial no protagonismo das ações educativas no Triângulo Mineiro

Gabriela Gonçalves Junqueira, Daniella Santos Alves

Resumo


O presente trabalho é resultado de um projeto de educação patrimonial desenvolvido nas cidades de Canápolis e Monte Alegre de Minas - região do Triângulo Mineiro, Minas Gerais. As ações educativas foram desenvolvidas num processo de experimentação etnográfica inserido num projeto macro de licenciamento ambiental. Tais ações possibilitaram um despertar do saber e da valorização da memórias, culturas e heranças regionais, especialmente, dos povos indígenas. Esse contato possibilitou uma desnaturalização de imagens cristalizadas e genéricas destes povos e viabilizou a importância do reconhecimento das identidades e patrimônios materiais e imateriais dos municípios. Para tal empreendimento contamos com o diálogo entre escola, universidade e comunidade, ou melhor, na tríade indissociável do ensino, pesquisa e extensão.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Daniella Santos. Do Alto do Espia: Gentios, Calhambolas e Vadios no sertão do Campo Grande – século XIX. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Uberlândia (UFU), MG, 2017.

AMANTINO, Márcia. O mundo das feras: Os moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais – século XVIII. 2001. 426 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

ARRUTI, J. M. P Andion. Etnogêneses Indigenas. In. Povos Indígenas no Brasil. São Paulo: Instituto Socioambiental. 2006.

BARTH, Frederik. “Introducción”. In: F. Barth (org.), Los grupos étnicos y sus fronteras. México: Fondo de Cultura Económica, 1969.

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

FAVRET-SAADA, Jeanne. “Ser afetado”, de Jeanne Favret-Saada. Cadernos de Campo, n. 13, PPGAS/FFLCH-USP p. 155-161. São Paulo, jan. 2005.

PREDEZ; ZORZO. Hamykahay- Expressão Gráfica Corporal Pataxó. In. XX Simpósio Nacional de Geometria Descritiva e Desenho Técnico. Rio de Janeiro, 2011.

CARDOZO, Poliana Fabiula; Melo, Alessandro de. PATRIMÔNIO, TURISMO CULTURAL E EDUCAÇÃO PATRIMONIAL. Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 1059-1075, out.-dez., 2015.

GIRALDIN, Odair. Cayapó e Panará. Luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas, Editora da Unicamp, 1997.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan/jun 2005.

GRUNBERG, Evelina. Manual de atividades práticas de educação patrimonial. Brasília, DF: IPHAN, 2007

HORTA, Maria de Lourdes Parreiras; GRUNBERG, Evelina, MONTEIRO, Adriane Queiroz. GUIA BÁSICO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL. Brasília, Museu Imperial/ IPHAN//MinC, 1999.

JUNQUEIRA, Gabriela Gonçalves. O visível e o invisível nas relações de contato dos grupos Jê Meridionais: uma análise da caça, guerra e dos rituais funerários como relações de predação, produção e controle dos poderes latentes da alteridade. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, pp.118-142, 2005.

ROCHA, Thaíse Sá Freire. Refletindo sobre memória, identidade e patrimônio: as contribuições do programa de Educação Patrimonial do MAEA-UFJF. XVIII Encontro Regional ANPUH, 2012.

TAMASO, Izabela. Os Patrimônios como Sistemas Patrimoniais e Culturais: notas etnográficas sobreo caso da cidade de Goiás. Revista ANTHROPOLÓGICAS, Ano 19, 26(2):156-185, 2015.

TEIXEIRA, Claudia Adriana Rocha. A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NO ENSINO DE HISTÓRIA. Biblos, Rio Grande, 22 (1): 199-211, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.