O jongo nas comemorações do 13 de maio em São Luiz do Paraitinga

Ricardo Mendes Mattos

Resumo


Nas comemorações de 13 de maio, a dança do jongo foi o principal ritual de celebração da matriz africana e mote de organização política de afro-brasileiros em São Luiz do Paraitinga. No período pós-abolição, o jongo representou um canal de comunicação do afrodescendente na sociedade republicana nascente. O desafio de incluir o liberto na cidadania republicana teve seu vórtice na roda de jongo, que passa a sofrer transformações em sua expressão cultural, de maneira a se inserir nesse novo contexto histórico. A partir da análise da cobertura da imprensa da época, de registros de cronistas e folcloristas pretende-se contribuir para a história do jongo no 13 de maio de São Luiz do Paraitinga, bem como refletir sobre a intensa mudança nessa expressão cultural quando entram na roda de jongo as contradições sociais e raciais do período de pós-abolição e da construção da cidadania republicana.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha; MATTOS, Hebe. Festas, patrimônio cultural e identidade negra, 2013. Disponível em: http://cral.in2p3.fr/artelogie/IMG/article_PDF/article_a178.pdf Acesso em: 09.03.2014.

AGUIAR, Mário. São Luís do Paraitinga (usos e costumes). Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, 1949. 66 p.

ALMEIDA, Jaime de. Foliões – festas em São Luís do Paraitinga na passagem do século (1888-1918). 1987. Tese (Doutorado em História), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Saulo, 1987.

ALMEIDA, Jaime de. Revisitando São Luís do Paraitinga: continuidades e rupturas. Em: JANCSÓ, István; KANTOR, Iris (orgs.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa (volume II). São Paulo: Hucitec;Edusp;Fapesp;Imprensa Oficial, 2001. pp. 657-679. (Coleção Estante USP – Brasil 500 anos; v.3).

ARAÚJO, Alceu Maynard. Moçambique, dançado em São Luís do Paraitinga. Folha da Manhã, São Paulo, 22.03.1949.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional (Volume II – Danças, Recreação, Música). São Paulo: Melhoramentos, 1964. 456 p.

CAVAZZI, Giovanni Antonio. Relation historique de l’Ethiopie occidentale. Paris: Charles Delespine, 1732.

DIAS, Paulo. O lugar da fala: conversas entre o jongo brasileiro e o ondjango angolano. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 59, p. 329-368, dez. 2014.

DOMINGUES, Petrônio José. “A redempção de nossa raça”: as comemorações da abolição da escravatura no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 62, p. 19-48, 2011.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Jongo no sudeste. (Dossiê Iphan; 5). Brasília, DF: Iphan, 2007. 92 p.

MACHADO, Maria Helena. O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da abolição. Rio de Janeiro: UERJ/EDUSP, 1994. 259 p.

MONSMA, Karl. A polícia e as populações “perigosas” no interior paulista, 1880-1900: escravos, libertos, portugueses e italianos. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro, Bahia, 2008. Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/mesas_redondas/trabalhos/MR%2012/Monsma%20ABA%202008.pdf Acesso em: 03.01.2015.

MONSMA, Karl. Pânico e repressão: a reação à abolição das elites nas regiões de cafeicultura paulista. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho 2011.

MORAES, Renata Figueiredo. As festas da abolição: o 13 de maio e seus significados no Rio de Janeiro (1888-1908). 325 f. 2012. Tese (Doutorado em História Social da Cultura), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

NERY, Rosa Maria de Andrade. São Luiz do Paraitinga: reduto de gente bandeirante. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

PEREIRA, Matheus Serva. As festas negras pela abolição. Sambas, batuques e jongos no 13 de maio (1888-1898). In: Ribeiro, Alexandre; Bittencourt , Marcelo; Gebara, Alexander (org.) África, passado e presente: II encontro de estudos africanos da UFF. Niterói: PPGH-UFF, 2010. p. 99-107.

PEREIRA, Matheus Serva. Uma viagem possível: da escravidão à cidadania. Quintino de Lacerda e as possibilidades de integração dos ex-escravos no Brasil. 292 f. 2011. Dissertação (Mestrado em História) Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

PETRONE, Pasquale. A região de São Luís do Paraitinga (estudo de geografia humana). Revista Brasileira de Geografia, Ano XXI, n. 03, julho/setembro de 1959. p. 03-100.

PINTO, Benedito de Souza. O jongo de São Luís do Paraitinga. Correio Folclórico, nº 45, 04 de fevereiro de 1950.

QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Escravidão negra em São Paulo: um estudo sobre as tensões provocadas pelo escravismo no século XIX. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1977.

RAYMOND, Lavínia Costa. Algumas danças populares no Estado de São Paulo. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, boletim n. 191, Sociologia n. 6, 1954. 128 p.

SANTOS, João Rafael Coelho Cursino dos. A Festa do Divino de São Luiz do Paraitinga: o desafio da cultura popular na contemporaneidade. 2008. Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós Graduação em História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SCHMIDT, Carlos Borges. Aspecto da vida agrícola no Vale do Paraitinga. Revista Sociologia, v. 1, p. 35-55, 1943.

SCHMIDT, Carlos Borges. A vida rural no Brasil: a área do Paraitinga, uma amostra representativa. São Paulo: Secretaria da Agricultura, 1951.

SLENES, Robert W. “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta no Brasil. Revista icUSP, n. 12, 1992, p. 48-67.

STEIN, Stanley J. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. (Vera Bloch Wrobel). Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990. 361 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.