Pontes feitas apenas “com papéis” não transpõem abismos? As relações de gênero entre novas formas de pensar a história e o ensino de história.

Ana Carolina Eiras Coelho Soares, Danielle Silva Moreira dos Santos

Resumo


O presente artigo visa refletir sobre a produção de aulas oficinas e textos de apoio  propostos com o objetivo de promover entre as/os aluna/os novas maneiras de se pensar a história, dando visibilidade às mulheres, as feminilidades e masculinidades e as questões de gênero. Neste sentido, as mulheres esquecidas são recolocadas e recuperadas na História. Por meio do incentivo da bolsa PROLICEN, fomos levadas a analisar de que forma e o porquê as mulheres são, ou não, lembradas e solicitadas durante aulas de História. Assim, esse trabalho é uma pesquisa que busca levantar questionamentos, dúvidas e possíveis soluções, cujo esforço visa ampliar os debates acerca do ensino de História a partir dos estudos de gênero e história das mulheres que por meio de esforços como os dessa pesquisa invadem e transbordam o abismo no ambiente escolar.


Texto completo:

PDF

Referências


BARCA, Isabel. Aula Oficina: do Projeto à Avaliação. In. Para uma educação de qualidade: Atas da Quarta Jornada de Educação Histórica. Braga, Centro de Investigação em Educação (CIED). Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 2004. p. 131-144.

BAPTISTA, Chirlaine Gomes da Silva. A representação da Imagem como fonte Histórica nos estudos historiográficos e nas aulas de História do século XXI. Anais VI Simpósio Nacional de História Cultural Escritas da História: Ver, Sentir, Narrar Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2012.

BERBERT JUNIOR, C. O. A História, a Retórica e a crise dos paradigmas. 1. ed. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, 2012. v. 1. 296p.

BRANT, Sebastian. A Nau dos Insensatos. Tradução de Karin Volobuef. São Paulo: Editora Octavo, 2010.

CAVACO, Lucinda Maria da Silva. JUVENAL, SATVRAE Tipos e Vícios. Dissertação de Mestrado em Literatura Latina - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Lisboa, 2009.

DÉCIMO, Juvenal Júnio. Sátiras. Tradução de Francisco Antônio Martins Bastos. Editora Ediouro.

FEITOSA, Lourdes Condes. Gênero e sexualidade no mundo romano: a antiguidade em nossos dias. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 48/49, p. 119-135, 2008. Editora UFPR.

LOBERT, Rosemary. 2010. A Palavra Mágica: a vida cotidiana dos Dzi Croquettes. Campinas: Editora Unicamp. 296p. Resenha de: LACERDA, Paula. Sexualidad, Salud y Sociedad. Revista Latinoamericana. n.7, abr. 2011, pp.170-176.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro. Vozes, 2011.

MOLINA, Luana Pagano Peres. Gênero, sexualidade e ensino de história nas vozes de adolescentes. Antíteses, v.6, n. 12, p. 489-525, jul./dez. 2013.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues. Ensino de História das mulheres: reivindicações, currículos e potencialidades. In: STEVES, Cristiane. OLIVEIRA, Susane. Et al. Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2014.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. A Contribuição da Imperatriz Leopoldina à formação cultural Brasileira (1817-1826). ANPUH – XXIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Londrina, 2005.

PINSKY, Carla Bassanezi. (org.). Gênero. In: Novos temas em aulas de história. São Paulo. Contexto, 2009.

ROLIM, César Daniel de Assis. A permanência de práticas pedagógicas tradicionais no ensino de história. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p.41 a 50, jan./jun. 2009.

SILVA, Cristiani Bereta da. O saber histórico escolar sobre as mulheres e relações de gênero nos livros didáticos de história. Caderno Espaço Feminino, v. 17, n. 01, Jan./JuL. 2007.

SCOOT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto alegre. v.15. n.2 , jul/dez, 1990. p.71-99.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 Qualis B-4