O PARADOXO DE CÓRDOBA: sujeito cognoscente e violência epistêmica

Alcione Corrêa Alves

Resumo


Em um evento recentemente realizado na Universidad Nacional de Córdoba, foi organizado um simpósio intitulado “El Caribe francófono: enfoques, problemas, discusiones” e, integrando suas atividades do segundo dia, uma mesa intitulada “El teatro de Aimé Césaire: lecturas desde el Sur”. A proposta inicial da referida mesa exemplificava um tipo específico de abordagem às literaturas caribenhas e, mais precisamente, às literaturas negras caribenhas de língua francesa: postulando uma relação necessária entre literatura e sociedade, o conjunto de comunicações apresentadas propusera estudos sobre a obra de Aimé Césaire, notadamente em torno de duas de suas obras mais recorrentes, o poema Cahier d'un retour au pays natal e a peça Une tempête. Levando em conta que uma parcela significativa da produção científica sobre as referidas literaturas, disponível no campo dos Estudos Literários no Brasil, circunscreve seu objeto mediante uso do termo literaturas francófonas (abordagem que tende a implicar comprometimento com alguns corolários teóricos e também – advogamos aqui – políticos)[1], a mesa em questão, desde o princípio, propusera uma interlocução entre uma apreciação da obra de Césaire pelo viés francófono e, de outra parte, [não necessariamente] complementar a esta, uma apreciação que, interpretando a obra de Césaire enquanto texto caribenho e, não raras vezes, texto negro caribenho, situa-o em um debate que, sem excluir uma condição de literatura de língua francesa, discute a relação entre as literaturas negras caribenhas e um conjunto mais amplo de literaturas americanas, seja implicando as três Américas, seja pressupondo uma noção subjacente, nem sempre explícita, de América Latina[2].


[1] Este é, basicamente, o ponto de partida da Tese de Doutorado defendida pelo autor deste artigo, intitulada 'Mon nom, je l'habite tout entier': littérature-monde en français e seus lugares de enuciação, disponível no Portal Lume de Dissertações eTeses da UFRGS.

[2] Como um dos muitos exemplos possíveis de interpretação da obra de Aimè Césaire por esta senda, destacamos, particularmente, a obra coletiva Aimé Césaire desde América Latina: diálogos con el poeta de la négritud (2011), organizada por Claudia Zapata, Lucia Stecher y Elena Oliva, editada pela Universidad de Chile e disponível no sítio http://cecla.uchile.cl/wp-content/uploads/2014/07/Aime_Cesaire_desde_America_Latina_libro.pdf .


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO PIZARRO, Yolanda. las Negras.

CÉSAIRE, Aimé. Une tempête. Paris: Éditions du Seuil, 2008.

ALVES, Alcione Corrêa. "Mon nom, je l’habite tout entier": littérature-monde en français e seus lugares de enunciação. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras, Porto Alegre, BR-RS, 2012, 208f.

_______________________. « Desvio (Détour) ». BERND, Zilá (org). Dicionário das mobilidades culturais: percursos americanos. Porto Alegre: Litteralis, 2010. p.129-145.

_______________________. Teseu, o labirinto e seu nome: sobre um parágrafo de Cultura e imperialismo. In: II Encuentro de Ciencias Humanas y Tecnológicas del Cono Sur (ECHTEC), 2013, Bogotá. Anales del II Encuentro de Ciencias Humanas y Tecnológicas del Cono Sur (ECHTEC). Bogotá: Universidad Sergio Arboleda, 2013. v. 1. p. 829-837.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental: os livros e a escola do tempo. Tradução de Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

CULLER, Jonathan. Escrita e logocentrismo. In: Sobre a desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Tradução de Patrícia Burrowes. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997. p. 104-127.

FANON, Frantz. Peau noire masques blancs. Paris: Éditions du Seuil, s.d.

FERREIRA, Rosa Áurea ; ALVES, Alcione Correa. Diáspora e subalternidade na poesia de Lucrecia Panchano. Palimpsesto. [Online], volume 15, 2016, p. 85-101.

GLISSANT, Édouard. Introduction à une poetique du divers. Paris: Gallimard, 1996.

MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais. [Online], número 80, 2008, p. 5-10. URL : http://rccs.revues.org/689 . Acesso em 30 sept. 2016.

MIÑOSO, Yuderkis Espinosa. Etnocentrismo y colonialidad en los feminismos Latinoamericanos: Complicidades y consolidación de las hegemonías feministas en el espacio transnacional. Revista Venezolana de Estudios de la Mujer, Caracas , v. 14, n. 33, 2009, p. 37-54, dic. 2009. Disponible en . Acesso em 30 sept. 2016.

MIÑOSO, Yuderkis Espinosa; CORREAL, Diana Gómez; MUÑOZ, Karina Ochoa. Introducción. In: Tejiendo de otro modo. Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Yuderkys Espinosa Miñoso, Diana Gómez Correal, Karina Ochoa Muñoz (editoras). Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014, p. 13-39.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SHAKESPEARE, William. A tempestade. Tradução de Beatriz Viégas-Faria. Porto Alegre: L&PM, 2006. 115p. (L&PM Pocket, 268)

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida. Belo Horizonte: EdUFMG, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.