(TRANS)BORDANDO FRONTEIRAS BIOGRÁFICAS – estética bugresca como descolonização do corpo biogeográfico para a a cena

Marcos Antônio Bessa-Oliveira

Resumo


“Se entendemos que a natureza é sempre filtrada pela noção de paisagem, ou seja, por uma visão histórica e cultural — Robert Smithson escreveu que a natureza era mais uma ficção dos séculos XVIII e XIX —, o corpo é sempre uma condição cultural localizada. Se um povo qualquer prossegue “na missão de redefinir a paisagem, dando volume à página” [(BRANDÃO, 2004, p. 11)] um corpo sempre vem vestido: as convenções sociais, representações narrativas e aplicabilidades políticas dão aparência epistemológica à noção de corpo. Além disso, não existe corpo sem que seja alguém, produção de uma micro-história que só é reduzida a um holótipo no contexto de uma ciência excludente (por definição, um holótipo é sempre um espécime morto, necessariamente herborizado). O corpo próprio intenciona e tensiona o corpo físico e biológico.” (MARQUEZ, 2011, p. 161)

O excerto acima, extraído do texto “Certa Geografia”, escrito como conversações entre os autores Luis Alberto Brandão e Renata Marquez[1], cuja parte foi escrita por uma geógrafa – Renata Marquez –, ilustra, se posso assim dizer, a perspectiva de corpo que proponho refletir neste trabalho. Um corpo situado biogeograficamente. Corpos biográficos que são, ao mesmo tempo, intenção e tensão com uma condição cultural localizada e em um determinado território geográfico específico reconhecido como enunciativo. Da mesma forma, quero sinalizar que a fronteira (trans)bordada por esses corpos tem caráter físico e está na ordem do real como “[...] território [que] tem densidade, espessura, não é superfície simplesmente.” (PORTO-GONÇALVES, 2011, p. 199) Portanto é diferente da ideia que se tem compreendida de fronteira fora do contexto da sua situacionalização geográfica de margem, fim de espaços ou vista como “o espaço [que] é um lugar abstrato” (RIBEIRO, 2011, p. 199).


[1] Todas as vezes que me referir em citações a este texto as referências serão feitas via MARQUEZ.


Texto completo:

PDF

Referências


ANZALDÚA, Gloria. Bordelands/La frontera: the new mestiza. São Francisco: Aunt Lute Books, 2007.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. “Paisagens biográficas — Imagens pós-coloniais — Retratos culturais”. In: Grau Zero — Revista de Crítica Cultural, do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural, da Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas: Fábrica de Letras, v. 1, n. 1, jan./jun. 2013, p. 249-278.

_____. “BIOGEOGRAFIAS OCIDENTAIS/ORIENTAIS: (i)migrações do bios e das epistemologias artísticas no front”, In: Cadernos de Estudos Culturais: Ocidente/Oriente: migrações. V. 5, n. 15. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2016. (No Prelo)

BRANDÃO, Luis Alberto; MARQUEZ, Renata. “Certa Geografia”. In: HISSA, Cássio E. Viana. (Org.). Conversações: de artes e de ciências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p. 151-168. (Humanitas)

GROSFOGUEL, Rámon. “Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós−coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global”. In: Eurozine, p. 1-24. Disponível em: http://www.eurozine.com/articles/2008-07-04-grosfoguel-pt.html - acessado em: 08 de outubro de 2014.

MIGNOLO, Walter. El vuelco de la razón: diferencia colonial y pensamiento fronterizo. 1ª ed.. Buenos Aires: Del Signo, 2011.

MIGNOLO, Walter. “PRIMERA PARTE: Lo nuevo y lo decolonial”. In: GÓMEZ MORENO, Pedro Pablo. Estéticas y opción decolonial/Pedro Pablo Gómez, Walter Mignolo. -- Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2012, p. 20-47.

_____. “Desobediencia Epistémica (II), Pensamiento Independiente y Libertad De-colonial”. In: Otros logos: Revista de Estudios Críticos. Centro de Estudios y Actualización en Pensamiento Político, Decolonialidad e Interculturalidad. Universidad Nacional del Comahue. Año I. Nro. 1, 2010, p. 8-42. Disponível em: http://www.ceapedi.com.ar/otroslogos/Revistas/0001/Mignolo.pdf - acessado em: 25 de julho de 2013.

ORTEGA, Francisco; ZORZANELLI, Rafaela. Corpo em evidência: a ciência e a redefinição do humano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. (Coleção contemporânea: Filosofia, lietaratura e artes)

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter; RIBEIRO, Guilherme. “Partilhando versões sobre ciência e política”. In: HISSA, Cássio E. Viana. (Org.). Conversações: de artes e de ciências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p. 197-216. (Humanitas)

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: evolução e sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. (Humanitas).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.