O QUE QUER O QUE PODE ESTE LADRÃO? literatura, marginalidade e formas de subjetivação

Omar da Silva Lima, Renato de Oliveira Dering, Ederson Luís Silveira

Resumo


Na literatura há vários ladrões que imortalizaram tipos, estereótipos e arquétipos de sujeitos múltiplos, variáveis, descontínuos. Sob este viés, assinalamos o ladrão intrinsecamente relacionado a um exterior constituinte em que emergem as marcas da sociedade, da cultura como aquele proposto por Mário de Andrade, no livro Contos Novos ou aquele que, ironicamente, nos deseja um “Feliz Ano Novo”, a partir da narrativa de Rubem Fonseca. Desde já antecipamos que não se trata das mesmas representações, a partir da leitura das obras mencionadas, pois há distanciamentos e até mesmo intersecções entre os sujeitos-ladrões que emergem de tais lugares. Assim, o olhar crítico aqui traçado visa então iluminar os textos através de visadas que, tal qual o farol de Alexandria, podem trazer à tona vieses, contradições e diálogos nas zonas de tensionamento das representações ficcionais em que se inserem para “[...] estudar as redes de sentido tecidas a partir da leitura” (SILVEIRA & SCHNEIDER, 2013, p. 10). A partir dos Estudos Culturais, tem-se clara a necessidade de produzir, através da escrita, para aqueles que se empenham no ofício da escritura, espaços de enunciação por estar inserido no campo das relações de poder anunciando filiações através da escrita, o que faz com que seja necessária a proposição de um distanciamento entre o trabalho intelectual (no caso, de escrita) do trabalho acadêmico conforme postulou Stuart Hall.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mario. Contos novos. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Ed. Itatiaia, 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Trad. de Cristina. Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

DA SILVA, Franciele Queiroz; AZEVEDO, Luciene Almeida de. A literatura marginal (periférica) no contexto contemporâneo. Horizonte Científico, Uberlândia, vol. 3, n. 1, 2009, p. 1-31.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Trad. Sandra Castello branco. São Paulo: UNESP, 2005.

___. Depois da teoria: um olhar sobre os estudos culturais e o pós-modernismo. Trad. Maria Lucia Oliveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ECO, Umberto. “Parâmetros da cultura”. In. CASTRO, Gustavo de. DRAVET, Florence (Org,). Sob o céu da cultura. Brasília: Thesaurus, Casa das Musas, 2004.

FONSECA, Rubem. Feliz ano novo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, p.17-46, jul./dez., 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KRISTEVA, Julia. Introdução a semanálise. Trad. Lucia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MATTELART, Armand. Introdução aos Estudos Culturais. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MATTOSO, Glauco. O que é poesia Marginal? 2ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1982.

PELLEGRINI, Tânia. No fio da navalha: literatura e violência no Brasil de hoje. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília, nº 24, julho-dezembro de 2004, p. 15-34.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica cultural. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004.

SCHOLLHAMMER, Karl Eric. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SCHOLHAMER, Karl Eric. “Os cenários urbanos da violência na literatura brasileira”, em PEREIRA, Carlos Alberto Messeder (org.). Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SILVEIRA, Ederson Luís; OLIVEIRA, Hibrahima Nelia; DERING, Renato de Oliveira. No terreno das descontinuidades: entre tempos e vozes da narrativa. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação Blumenau, v. 8, n. 1, jan./abr. 2014, p. 76-86.

SILVEIRA, Ederson Luís; SCHNEIDER, Aquelle Miranda. As memórias da Emília: tessituras e efeitos de sentido produzidos nas subjetividades de representação. Entrelaces (UFC), v. III, p. 10-23, 2013.

SILVEIRA, Ederson Luís; SCHNEIDER, Aquelle Miranda. O discurso e as (des)identificações: o feminismo e as vozes de resistência na atualidade. Revista Rascunhos Culturais, Coxim, MS, vol. 3, n. 6, julho-dezembro 2012, p. 143-163.

SOARES, Mei Hua. A literatura marginal-periférica na escola. Disponível em: . Acesso em agosto de 2014.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

WELLEK, René; WARREN, Austin. Teoria da literatura. Trad. José Palla e Carmo. Lisboa: Europa-Amética, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.