Teoria da Autodeterminação na compreensão da motivação da aprendizagem de Química dos alunos da Educação de Jovens e Adultos

Brenda Tavella Oliveira

Resumo


Em anos recentes, a motivação dos alunos vem se tornando um dos fatores mais prejudiciais à obtenção da aprendizagem na disciplina de Química, além de influenciar diretamente o papel do docente dentro da sala de aula. Neste contexto, a presente pesquisa busca avaliar os diferentes estágios de motivação de um corpo discente de uma escola pública. Com base na identificação da motivação existente nos alunos, como ela surge e/ou fortalece o interesse ou o desinteresse pela Química como ciência. Assim, o objetivo do presente artigo foi analisar e identificar o estágio de motivação existente nos alunos da Educação de Jovens e Adultos da Escola CEJA Professor Elias Chadud da cidade de Anápolis-Goiás. A pesquisa teve como base, os fundamentos da Teoria da Autodeterminação (SDT). Tal teoria mostra ser possível determinar quais os estágios de motivação que um aluno possui dentro da sala de aula, para estudar a disciplina de Química. De acordo com a teoria supracitada, tem-se a motivação extrínseca, que é determinada por influência do meio em que se encontra o aluno e é um grau de motivação subdividido em regulações (não regulação, regulação externa, regulação introjetada, regulação identificada, regulação integrada e regulação intrínseca). E tem-se também a motivação intrínseca, na qual é guiada pelo próprio “eu” do aluno e é determinada como a motivação ideal para criar um aluno autônomo. O instrumento utilizado foi um questionário misto, sendo constituído de perguntas fechadas, baseadas no escalonamento de Likert e com uma justificativa para cada afirmação feita. Com os resultados parciais obtidos pode-se concluir que os alunos não tem a motivação intrínseca como predominante, mas sim a motivação extrínseca com a regulação integrada. Outra motivação, que se mostrou não estar presente nos alunos, foi a motivação extrínseca com a regulação introjetada.

 

Palavras chave: Motivação, Aprendizagem em Química, Teoria da Autodeterminação, Educação de Jovens e Adultos.


Palavras-chave


Psicologia da educação, ensino de Ciências

Texto completo:

PDF

Referências


AINLEY, M.; HIDI, S.; BERNDORFF, D. Interest, learning, and the psychological processes that mediate their relationship. Journal of Educational Psychology, v. 94, p. 545-561, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Media e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

BORUCHOVITCH, E. ; BZUNECK, J. A. A Motivação do Aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 4ª Ed., Petrópolis/RJ: Vozes, 2009. 9-36 p.

CLEMENT, L. Autodeterminação e Ensino por Investigação: Construindo Elementos para promoção da Autonomia em aulas de Física. 2013. 334 f. Tese (Doutorado em Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Físicas e Matemáticas. Florianópolis, 2013.

ECCLES, J. S.; WIGFIELD, R. M. Motivational beliefs, values, and goals: learning and performance in educational settings. Annual Review of Psychology, v. 53, p. 109-132, 2002.

MAEHR, M. L.; MEYER, H. A. Understanding Motivation and Schooling: where we've been, where we are, and where we need to go, Educational Psychology Review, v. 9, n. 4. p. 371-409, 1997.

PAIVA, V. P. Educação popular e educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: Ed. Loyola, 1973.

PALMER, D. A Motivational View of Constructivist-informed Teaching. International Journal of Science Education, v. 27, n. 15, p. 1853-1881, 2005.

PINTRICH, P. R.; SCHUNK, D. H. Motivation in education: theory, research, and applications. 2nd edition, Upper Saddle River, NJ: Merrill, 2002. 460 p.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Intrinsic and extrinsic motivations: Classic definitions and new directions. Contemporary Educational Psychology, v. 25, n. 1, p. 1-14, 2000a.

______. Selfdetermination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychologist, v. 55 n. 1, p. 1-11, 2000b.

______. Self-Regulation and the Problem of Human Autonomy: does psychology need choice, self-determination, and will? Journal of Personality, v. 74, n. 6. P. 1-30, 2006c.

TAPIA, J. A.; FITA, E. C. A motivação em sala de aula: o que e, como se faz. 9ª Ed. São Paulo: Ed. Loyola, 2010. 148 p.

VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados no campo. 2ª Ed. São Paulo: Ed. Atlas S.A. 2012, p. 01 – 36.

VIEIRA, S. Como elaborar questionários. 1ª edição, São Paulo: Ed. Atlas, 2009, p. 4 - 55.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.