Escola, Matemática e Disciplinamento: uma análise sobre desenhos infantis

Fernanda Wanderer, Fernanda Longo

Resumo


O artigo discute marcas que constituem a matemática escolar dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. O material de pesquisa examinado consiste em um conjunto de desenhos produzidos por estudantes sobre a aula de matemática. A estratégia analítica utilizada para operar sobre este material foi a análise do discurso no sentido atribuído por Michel Foucault. Utilizando como aportes teóricos o conceito foucaultiano de disciplinamento dos corpos e as ideias desenvolvidas por Veiga-Neto sobre a disciplina-corpo e a disciplina-saber, a análise mostrou que: a) a sala de aula atua como um aparelho eficiente de disciplinamento dos corpos e dos saberes, produzindo efeitos de subjetivação nos alunos e professores. b) a matemática escolar é um campo marcado pela escrita, formalismo e abstração que regula o pensamento dos escolares.  


Palavras-chave


Educação Matemática; Escola; currículo

Texto completo:

205-221

Referências


ANDRADE, Débora de Oliveira; GRANDO, Regina Célia. Contando histórias nas aulas de Matemática: produção/mobilização de conceitos na perspectiva da resolução de problemas. Trabalho apresentado na 26a Reunião Anual da ANPED. Caxambu, 2006.

BOCASANTA, Daiane M. “A gente não quer só comida”: processos educativos, crianças catadoras e sociedade de consumidores. Dissertação (Mestrado em Educação). São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2009.

BORBA, Rute E. S. R.; SELVA, Ana C. V. Alunos de 3ª e 5ª séries resolvendo problemas de divisão com resto diferente de zero: o efeito de representações simbólicas, significados e escolarização. Trabalho apresentado na 26a Reunião Anual da ANPED. Caxambu, 2006.

CÂNDIDO, Patrícia. Comunicação em Matemática. In: SMOLE, Katia; DINIZ, Maria Ignez (org.). Ler, escrever e resolver problemas. Habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002a.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2002b.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GIONGO, Ieda Maria. Disciplinamento e resistência dos corpos e dos saberes: um estudo sobre a educação matemática da Escola Estadual Técnica Agrícola Guaporé. Tese (Doutorado em Educação). São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2008.

KANT, Immanuel. Sobre a pedagogia. Piracicaba: Editora UNIMEP, 2002.

KNIJNIK, Gelsa. Juegos de lenguaje matemáticos de distintas formas de vida: contribuciones de Wittgenstein y Foucault para pensar la educación matemática. Educación Matemática, v. 25, p. 146-161, 2014.

KNIJNIK, Gelsa. Differentially positioned language games:ethnomathematics from a philosophical perspective. Educational Studies in Mathematics , v. 80, p. 87-100, 2012.

KNIJNIK, Gelsa; DUARTE, Claudia G. Entrelaçamentos e dispersões de enunciados no discurso da Educação Matemática Escolar: um estudo sobre a importância de trazer a realidade dos alunos para as aulas de matemática. Bolema – Boletim de Educação Matemática, v. 23, n. 37, p. 863-886, 2010.

LIZCANO, Emmanuel. As matemáticas da tribo européia: um estudo de caso. In: KNIJNIK, Gelsa; WANDERER, Fernanda; OLIVEIRA, Cláudio José de (org.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004. p. 124-138.

POPKEWITZ, Thomas. Lutando em defesa da alma. A política do ensino e a construção do professor. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

ROCHA, Cristianne Famer. O espaço escolar em revista. In.: COSTA, Marisa Vorraber (org.). Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004 p.117-142.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Nunca fomos humanos – nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p.137-204.

SMOLE, Kátia C. S. Textos em Matemática: Por que não? In: SMOLE, Katia; DINIZ, Maria Ignez (org.). Ler, escrever e resolver problemas. Habilidades básicas paraprender matemática. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

SMOLE, Katia S.; DINIZ, Maria Ignez; CÂNDIDO, Patricia. Figuras e formas. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

SMOLE, Katia S.; DINIZ, Maria Ignez; CANDIDO, Patricia. Brincadeiras Infantis nas aulas de matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000a.

SMOLE, Katia S.; DINIZ, Maria Ignez; CANDIDO, Patricia. Resolução de Problemas. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000b.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Produção de sentidos e construção de conceitos na relação ensino/aprendizagem da Matemática. Tese (Doutorado em Educação). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

VEIGA-NETO, Alfredo. A ordem das disciplinas. Tese (Doutorado em Educação). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1996.

______. Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da Modernidade. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.) A Escola tem Futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 103-126.

WALKERDINE, Valerie. O raciocínio em tempos pós-modernos. Educação & Realidade, 20(2), jul./dez. 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador