A ordem do discurso da matemática escolar e jogos de linguagem de outras formas de vida

Gelsa Knijnik

Resumo


O artigo discute uma perspectiva filosófica para a etnomatemática que articula as noções teóricas de Ludwig Wittgenstein e Michel Foucault. A perspectiva é concebida como uma caixa de ferramentas teóricas que permite analisar, por um lado, os jogos de linguagem matemáticos de diferentes formas de vida e suas semelhanças familiares e, por outro lado, o discurso eurocêntrico da matemática escolar e seus efeitos verdade. Com base em trabalhos de campo realizados em contextos diversos, são apresentados exemplos do uso dessa perspectiva. Analisa os jogos de linguagem dessas diferentes formas de vida e a matemática escolar, destacando a complexa rede de aprendizagens e poderes que faz com que outros jogos de linguagem matemáticos (que não aqueles legitimados como os jogos de linguagem matemáticos) serem posicionado "em um vácuo" nos currículos escolares.

Palavras-chave


Jogos de Linguagem. Matemática Escolar. Etnomatemática.

Texto completo:

45-64

Referências


ASCHER, Marcia; ASCHER, Robert. Ethnomathematics. History of Science, 24, 125-144, 1986.

BARTON, Bill. Making sense in Ethnomathematics: ethnomathematics is making sense. Educational Studies in Mathematics. v. 31, pp 201–233

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

BISHOP, Alan. Mathematical Enculturation: A cultural perspective on mathematics education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1988.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

CASTRO, Edgardo. El vocabulario de Michel Foucault: un recorrido alfabético por temas, conceptos y autores. Buenos Aires: Universidad Nacional de Quilmes Editorial, 2004.

CASTRO, Edgardo. Pensar a Foucault: interrogantes filosóficos de “La arqueologia del saber”. Buenos Aires: Editorial Biblos, 1995.

CONDÉ, Mauro Lúcio Leitão. As Teias da Razão: Wittgenstein e a crise da racionalidade moderna. Belo Horizonte: Argvmentvm Editora, 2004.

CONDÉ, Mauro Lúcio Leitão. Wittgenstein, Linguagem e Mundo. São Paulo: Annablume, 1998.

CHASSOT, Attico. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 2007.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre a tradição e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DÍAZ, Esther. La filosofía de Michel Foucault. Buenos Aires: Biblos, 2005.

ERNEST, Paul. The Philosophy of Mathematics Education. London: The Falmer Press. 1991.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade – a vontade de saber. 15ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 2003a.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 18ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003b.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 26ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002b.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 7ª ed. São Paulo: Loyola, 2001.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002a. GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução, Helena Martins; revisão técnica, Luiz Carlos Pereira. - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998

HANNA, R. From referentialism to human action: the Augustinian theory of language. Disponível em: http://www.catedras.fsoc.uba.ar/mari/Archivos/HTML, 2010.

JORGENSEN, Kenneth. Power without glory: A genealogy of management decision. Copenhagen: Copenhagen Business School Press, 2007.

KNIJNIK, Gelsa; DUARTE, Claudia. Glavan. Entrelaçamentos e Dispersões de Enunciados no trazer a realidade do aluno para as aulas de matemática. Bolema, 23, 863-886, 2010.

KNIJNIK, Gelsa. Educação matemática, culturas e conhecimento na luta pela terra. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. KNIJNIK, Gelsa. Will Adams e xogum: do ensinar e do aprender em lugares e culturas no campo da matemática. In: TRAVERSINI, Clarice; EGGERT, Edla; PERES, Eliane; BONIN, Iara. (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. 1ed.Porto Alegre: edi PUCRS, 2008, v. 2, p. 265-280.

KNIJNIK, Gelsa; WANDERER, Fernanda. Mathematics Education, Differential inclusion: a study about two Brazilian time–space forms of life. Zentralblatt für Didaktik der Mathematik, v 42 (3), pp 349–360, 2010.

KNIJNIK, Gelsa. Mathematics education and the Brazilian Landless Movement: three different mathematics in the context of the struggle for social justice. Philosophy of Mathematics Education Journal, v. 21, p. 1-18, 2007.

KNIJNIK, Gelsa. Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

KNIJNIK, Gelsa. The effects of mathematics education discourse: a dialogue with Mendick’s work. Proceedings of the 9th Mathematics Education and Society Conference. Volos: University of Thessaly Press, p.106-111, 2017.

LIZCANO, Emánuel. As matemáticas da tribo européia: um estudo de caso. In: KNIJNIK, Gelsa et alli. Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

MACHADO, Roberto. Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 18ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003.

OLIVEIRA, Sabrina, KNIJNIK, Gelsa. Educação matemática e jogos de linguagem da forma de vida rural do município de Santo Antonio da Patrulha: um estudo sobre o “medir a terra” e suas unidades de medida. BOLEMA. Boletim GEPEM. , v.59, p.62 - 72, 2011.

PETERS, Michael. Wittgenstein, Education and the Philosophy of Mathematics. The Philosophy of Mathematics Education Journal, 21, 1-18, 2002.

POWELL, Arthur; FRANKENSTEIN, Marilyn. (Ed.) Ethnomathematics: challenging eurocentrism in Mathematics Education. New York: Suny Press, 1997.

PRESMEG, Norma. Ethnomathematics in teacher education. Journal of Mathematics Teacher Education. V.1, N.3, pp. 317-339, 1998

SANTOS, Marilene. Práticas sociais da produção e unidades de medida em assentamentos do Nordeste Sergipano: um estudo etnomatemático. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu. O que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

TAPPAN, Eva March (org.). The World's Story: A History of the World in Story, Song, and Art. Volume I: China, Japan, and the Islands of the Pacific. Boston: Houghton Mifflin, 1914, pp. 325-331.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

VILELA, Denise. Usos e jogos de linguagem na matemática: diálogo entre filosofia e educação matemática. São Paulo: LF, 2013.

WANDERER, Fernanda. Educação matemática, jogos de linguagem e regulação. São Paulo: LF, 2014.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus (2nd ed). São Paulo: Edusp, 1994.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 2004.

ZASLAVSKI, Claudia. Africa counts: number and pattern in African culture. Boston: Prindle, Weber, and Schmidt, 1973.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador