Educação intercultural indígena e educação matemática: o percurso de um jovem surdo de etnia Pataxó

Jessia Braz Jesus, Mônica Maria Farid Rahme, Ana Carolina Machado Ferrari

Resumo


Este artigo discute questões relativas à educação matemática e surdez no contexto da educação indígena. Para tanto, aborda os conceitos de educação intercultural e educação escolar indígena, e analisa as particularidades da educação de surdos nesse cenário. A pesquisa teve como objetivo compreender como um aluno indígena surdo Pataxó aprende os conhecimentos tradicionais do seu povo, os saberes e os fazeres que circulam no território, bem como os conhecimentos previstos no currículo escolar, como é o caso da matemática. A investigação foi desenvolvida por meio da construção de um estudo de caso, tendo como procedimentos metodológicos a realização de observações e entrevistas. Os resultados apontam a presença de desafios para a inserção do aluno indígena surdo na educação formal e indicam uma forte relação do sujeito com o território, como campo de conhecimento e práticas, o que evidencia a necessidade de uma maior articulação dessas duas dimensões educacionais.

 


Palavras-chave


PALAVRAS-CHAVE: Educação Escolar Indígena. Interculturalidade. Inclusão. Surdez. Estudo de caso.

Texto completo:

pdf

Referências


BONIN, Iara Tatiana. Educação escolar indígena. Encarte pedagógico IV. Brasília: CIMI, 2015.

BOURDIEU, Pierre. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org). Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1998, p. 217-227.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei n. 8069 de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBN n. 9493, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Diário Oficial da União de 23 dezembro 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 03/1999. Diretrizes Nacionais para o Funcionamento das Escolas Indígenas. Brasília: Diário Oficial da União, Brasília, 13 de abril de 1999.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Conferência Nacional de Educação - CONAE. Documento final, 2010.

BRASIL. Resolução n. 5/2012 estabelece Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica, 2012.

BURGUESS, Robert G. A pesquisa de terreno: Uma introdução. Oeiras (PT): Celtas, 1997.

CAPOVILLA, Fernando C. Filosofias educacionais em relação ao surdos: do oralismo à comunicação total ao bilinguismo. Revista Brasileira de Educação Especial, v.6, n.1, p. 99-116, 2000.

FLEURI, Reinaldo M. intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 16-35, mai-ago 2003.

FONSECA, João José. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

MARCONI, Marina de A.; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 5ª. Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

QUADROS, Ronice M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, Ronice M. de; KARNOPP, Lodenir B.. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

SÁ, Michele Aparecida de. Educação e escolarização da criança indígena com deficiência em Terra Indígena Araribá. 2015. 183f Tese (Doutorado em Educação Especial). Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos (SP).

SÁ, Michele Aparecida de; CAIADO, Kátia Regina M. interface da educação especial com a educação escolar indígena: a invisibilidade dos alunos indígenas com deficiência. In: BRUNO, Marilda M. G. de; OLIVEIRA, Ozerina Victor. Educação escolar indígena, diferença e deficiência: (re)pensando práticas pedagógicas. Campo Grande: Ed. UFMS, 2015, p. 115-165.

SANTOS, Irlan Marcos C. O acesso do surdo ka’apor em sua comunidade indígena à educação: uma discussão de inclusão. VII Jornada internacional políticas públicas. Centro de Ciências Sociais – Universidade Federal do Maranhão, 2015.

SOUZA, Vânia P. S.; BRUNO, Marilda G. M. As crianças Guarani e Kawá com deficiência. Editora UFGD 2012.

SURUÍ, Adriano Pawah; LEITE, Kécio Gonçalves. Etnomatemática e Educação Escolar Indígena no contexto do povo Paiter. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 1, p. 94-112, abr. 2018.

STUMPF, Marianne R. Educação de surdos e novas tecnologias. Licenciatura e Bacharelado em Letras-Libras na modalidade à distância/UFSC, 2010.

TEIXEIRA, Elizabeth R.; CERQUEIRA, Ivanete F. Sinais caseiros: ponto de partida para o letramento de crianças surdas e consequente aquisição de Libras e português escrito como L2. Anais do VI Simpósio Internacional de Ensino de Língua Portuguesa – ILEEL/UFU, 2014.

TUXÁ, Rosilene C. de A. Gerenciamento da educação escolar indígena, poder público e a relação com o movimento indígena : experiência e reflexão. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador, v. 19, n 33, p. 51-60, jan-jun 2010.

VILHALVA, Shirley. Mapeamento das línguas de sinais emergentes. 2009. 124f. Dissertação (Mestrado em Linguistica). Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina.

ZAIDAN, Samira.; DAVID, Maria Manuela S.; ARAÚJO, Jussara L.; GOMES, Maria Laura M.; FONSECA, Maria da Conceição.F.R. Educação matemática. In: OLIVEIRA, Dalila A.; DUARTE, Adriana M.C.; VIEIRA, Lívia M.F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM, p. 1-4.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador