Macroinclusões e microinclusões de pessoas idosas em um contexto da Educação Matemática

Guilherme Henrique Gomes da Silva, Rejane Siqueira Julio

Resumo


Neste artigo, discutimos resultados de uma pesquisa realizada no âmbito de um projeto de extensão universitária, direcionado ao público idoso. Seu objetivo é oferecer subsídios para uma compreensão sobre a forma como práticas de microinclusões podem surgir em um contexto extensionista envolvendo Educação Matemática e pessoas idosas. Utilizando uma abordagem qualitativa de pesquisa e a metodologia do estudo de caso, os dados foram produzidos a partir de notas em um caderno de campo, das reuniões da equipe executora para elaboração e discussão das atividades e a partir dos relatórios elaborados pela equipe do projeto. Para compreendermos possíveis práticas de microinclusões, fizemos uma análise a partir de profunda imersão nos dados e no diálogo constante com diferentes referenciais teóricos, em especial, naqueles com uma perspectiva da Educação Matemática Crítica. Os resultados deste processo de análise serão discutidos em dois temas: autonomias e liberdades e Educação Matemática como veículo para justiça social.

Palavras-chave


Terceira Idade; Inclusão social; Jogos de Linguagem; Educação Matemática Crítica

Texto completo:

pdf

Referências


ALRØ, H; SKOVSMOSE, O. Diálogo e Aprendizagem em Educação Matemática.

Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BIOTTO FILHO, D. Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?: trabalho com projetos para reelaborar foregrounds. 2015. 234 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática)–Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

BOAVIDA, A M.; PONTE, J. P. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In: GTI (Org). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002, p.43-55.

BRASIL. Estatuto do Idoso. Lei 10.741. Presidência da República. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Legislação sobre o idoso: Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (Estatuto do idoso) e legislação correlata [recurso eletrônico]. 3. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2013.

BRASIL, Plano Nacional de Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 08 out. 2018.

BRASIL. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em 11 out. 2018.

CRESWELL, J. W. Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3 ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

ERATH, K. Creating Space and Supporting Vulnerable Learners: Teachers’ Options

for Facilitating Participation in Oral Explanations and the Corresponding Epistemic Processes. In: HUNTER, R. et al. (Org). Mathematical Discourse that Breaks Barriers and Creates Space for Marginalized Learners. Rotterdam: Sense Publishers, 2018, p. 39-60.

FAUTINO, A. C.; MOURA, A. Q.; SILVA, G. H. G.; MUZINATTI, J. L.; SKOVSMOSE, O. Macroinclusão e microinclusão no contexto educacional. Revista Eletrônica de Educação, v.12, n.3, p.898-911, set/dez. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 60. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GUTSTEIN, E. Teaching and learning mathematics for social justice in an urban, Latino school. Journal for Research in Mathematics Education, Reston, v. 34, n. 1, p. 37-73, 2003.

GUTSTEIN, E. Reading and writing the world with mathematics: toward a pedagogy for social justice. New York: Routledge, Taylor & Francis Group, 2006.

GUTSTEIN, E. Reflections on teaching and learning mathematics for social justice in urban schools. In: WAGER, A. A.; STINSON, D. W. (Org.). Teaching mathematics for social justice: conversations with mathematics educators. Reston: National Council of Mathematics Teachers (NCTM), 2012. p. 63-78.

GUTSTEIN, E. Math, Maps, and Disrepresentation. In: GUTSTEIN, E.; PETERSON, B. (Org.). Rethinking Mathematics: Teaching Social justice by the numbers. 2. ed. Milwaukee: Rethinking Schools, 2013. p. 189-201.

JORGENSEN, R. Language Resources to Scaffold Mathematical Learning for Remote Indigenous Learners. In: HUNTER, R. et al. (Org). Mathematical Discourse that Breaks Barriers and Creates Space for Marginalized Learners. Rotterdam: Sense Publishers, 2018, p. 235-256.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil por sexo e por idade: 1980 – 2050. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, número 24, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2012. Estudos e Pesquisas – Informação Demográfica e Socioeconômica número 29. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2012.

JULIO, R. S.; OLIVEIRA, V. C. A. Estranhamento e descentramento na prática de formação de professores de matemática. Boletim GEPEM, n.72, p.112-123, jan./jul. 2018.

KNIJNIK, G. Mathematics education and the Brazilian Landless Movement: three different mathematics in the context of the struggle for social justice. In: ERNEST, P.; GREER, B.; SRIRAMAN, B. (Org.). Critical issues in mathematics education. Charlotte: Information Age, 2009. p. 153-170.

LIMA, L. F. D. Conversas sobre matemática com pessoas idosas viabilizadas por uma ação de extensão universitária. 2015. 186 f. Tese (doutorado) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

LINS, R. C. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. BICUDO, M. A. V. (org.) Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTIN, D. B. Researching Race in Mathematics Education. Teachers College Record, v. 111, n. 2, p. 295-338, 2009.

OLIVEIRA, R. C. S. O processo histórico do estatuto do idoso e a inserção pedagógica na universidade aberta. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.28, p.278 –286, dez. 2007.

PEREIRA, E. F.; TEIXEIRA, C. S.; SANTOS, A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.26, n.2, p.241-50, abr./jun. 2012.

PONTE, J. P. D.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações Matemáticas na sala de aula. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

SCAGION, M. P. Representações sociais de pessoas idosas sobre matemática. 2018. 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática)–Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2018.

SILVA, G. H. G. Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática)–Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2016.

SILVA, G. H. G.; SILVA, N.; JULIO, R. S. Educação Matemática com e para idosos. In: REZENDE, E. G. (Org.). UNATI: história e experiências compartilhadas. Alfenas (MG): UNIFAL-MG, 2017.

SILVA, N. D.; SILVA, B. B.; SILVA, G. H. G. Educação Matemática e atividades investigativas com pessoas idosas: contribuições para o “raciocínio” e a interação social. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENSINO DE MATEMÁTICA, 7. 2017, Canoas, RS. Anais… Canoas, RS: Universidade Luterana do Brasil - ULBRA, 2017.

SILVA, R. N.; SILVA, G. H. G.; JULIO, R. S. Educação Matemática e Atividades Investigativas com Pessoas Idosas. Revista Pesquisa e Debate em Educação, Juiz de Fora, no prelo.

SIMÕES, C. C. S. Relações entre as Alterações Históricas na Dinâmica Demográfica Brasileira e os Impactos Decorrentes do Processo de Envelhecimento da População. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2016.

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), Rio Claro, v. 13, n. 14, p. 66-91, 2000.

SKOVSMOSE, O. Educação Crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. São Paulo: Cortez, 2007.

SKOVSMOSE, O; SCANDIUZZI, P. P.; VALERO, P.; ALRØ, H. A aprendizagem matemática em uma posição de fronteira: foregrounds e intencionalidade de estudantes de uma favela brasileira. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA). Rio Claro, v. 26, p.231-260, 2012.

SKOVSMOSE, O. Um convite à educação matemática crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. Campinas: Papirus, 2014. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

SKOVSMOSE, O. O que poderia significar a Educação Matemática para diferentes grupos de estudantes? Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, Pr, v.6, n.12, p.18-37, jul.-dez. 2017.

VITHAL, R. Researching, and learning mathematics at the margin: from “shelter” to school. In: ERNEST, P.; GREER, B.; SRIRAMAN, B. (Org.). Critical issues in Mathematics Education. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2009. p. 475-484.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador