A educação matemática na perspectiva inclusiva: investigando as concepções constituídas no Brasil desde a década de 1990

Elton de Andrade Viana, Ana Lucia Manrique

Resumo


Com o objetivo de definir a atual concepção de educação matemática na perspectiva inclusiva à partir do movimento de educação na perspectiva inclusiva, historicamente consolidado no sistema educacional brasileiro por meio do modelo educacional de integração, o presente artigo tem como zona de inquérito entender qual é a concepção de educação matemática  na perspectiva inclusiva que podemos identificar no Brasil, desde o estabelecimento da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em 1996. Assumindo o princípio da normalização amplamente discutido na literatura da educação especial como referencial teórico, realizamos uma investigação utilizando o método comparativo e considerando como elementos a serem investigados os Parâmetros Curriculares Nacionais e a Base Nacional Comum Curricular. Após análise, foi possível identificar duas concepções: uma entendida a partir das propostas divulgadas na década de 1990 e a outra recentemente gerada pelas pesquisas e reflexões adotadas na atual conjuntura do sistema educacional.


Palavras-chave


Educação Especial; Educação Matemática; PCN; BNCC

Texto completo:

pdf

Referências


ARANHA, M. D. F. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, n. 21, p. 160-173, 2001.

ASKEW, M. Diversity, inclusion and equity in mathematics classrooms: from individual problems to collective possibility. In: BISHOP, A.; TAN, H.; BARKATSAS, T. N. (Edits.). Diversity in mathematics education: towards inclusive practices. New York: Springer, 2015. p. 129-145.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 dez. 1961. Seção 1, p. 11429.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria nº 1793, de 27 de dezembro de 1994. Recomenda a inclusão da disciplina ‘Aspectos Ético-Político-Educacionais da Normalização e Integração da Pessoa Portadora de Necessidades Especiais’ prioritariamente nos cursos de Pedagogia, Psicologia e em todas as Licenciaturas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 dez. 1994.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: adaptações curriculares. Brasília: MEC/SEF/SEESP, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Disponível em: < file:///C:/Users/elton/OneDrive/TESE_PUC-SP/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf >. Acesso em: 10 nov. 2018.

CAPOVILLA, F. C. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilinguismo. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 6, n. 1, p. 99-116, 2000.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 2, p. 03-11, 2000.

GUERRERO, M. J. L. Da integração escolar à escola inclusiva ou escola para todos. In: ROYO, M. A. L.; URQUÍZAR, N. L. (Orgs.). Bases psicopedagógicas da educação especial. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LIMA, P. C.; MARCONDES, F. G. V. Inclusão e o ensino da matemática sob a perspectiva do desenho universal. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, VII, 2018, Foz do Iguaçu. Anais eletrônicos. Foz do Iguaçu: SBEMPR Portal de Eventos, 2018. Disponível em Acesso em: 10 nov. 2018.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2015.

MISKOLCI, R. Reflexões sobre normalidade e desvio social. Estudos de Sociologia, v. 7, n. 13/14, p. 109-126, 2003.

MORAIS, T. M. R.; FERNANDES, S. H. A. A. Breve histórico da origem do grupo de trabalho diferença, inclusão e educação matemática (gt 13), seus proponentes e principais produções. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, VII, 2018, Foz do Iguaçu. Anais eletrônicos. Foz do Iguaçu: SBEMPR Portal de Eventos, 2018. Disponível em Acesso em: 10 nov. 2018.

MOREIRA, G. E. A educação matemática inclusiva no contexto da pátria educadora e do no PNE: reflexões no âmbito do GD7. Educação Matemática Pesquisa, v. 17, p. 508-519, 2015.

OMOTE, S. Normalização, integração, inclusão. Ponto de Vista, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 4-13, 1999.

SILVA, G. H. G. Políticas de ações afirmativas no ensino superior e equidade: qual o papel da educação matemática? In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, VII, 2018, Foz do Iguaçu. Anais eletrônicos. Foz do Iguaçu: SBEMPR Portal de Eventos, 2018. Disponível em Acesso em: 10 nov. 2018.

UNESCO. Educação 2030: declaração de Incheon e marco de ação para a implementação do objetivo de desenvolvimento sustentável 4. Disponível em < http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002456/245656POR.pdf> Acesso em: 10 nov. 2018.

WATKINS, C. Classrooms as learning communities: a review of research. London Review of Education, v. 3, n. 1, p. 47-64, mar. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador