FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: CRENÇAS SOBRE ENSINO E EMPODERAMENTO JUNTO À POPULAÇÃO LGBTQI

Gabriela dos santos Barbosa, Cleber Dias Costa Neto, Victor Augusto Giraldo

Resumo


Nesta pesquisa, investigamos crenças sobre o ensino de Matemática de duas estudantes de Licenciatura em Matemática que participaram como bolsistas de um projeto de extensão que ofereceu um curso voltado para o ensino pré-universitário de pessoas LGBTQI moradoras de favelas do Rio de Janeiro. Mais especificamente, investigamos como a participação no projeto favoreceu a (re)construção de crenças pelas licenciandas. Na perspectiva da Pedagogia Decolonial, entendemos populações LGBTQI como grupos subalternizados na sociedade brasileira.Levantamos a hipótese, pautada também na Etnomatemática, de que vivências em projetos voltados a grupos subalternizados podem promover uma formação inicial de professores de Matemática orientada a práticas de equidade social. Realizamos um estudo de caso, acompanhando a participação das licenciandas e entrevistando-as ao final do projeto. Nossos resultados indicam que essas vivências levaram as participantes a reconhecerem que os modelos tradicionais de ensino não contemplam as demandas da construção de uma escola que rompa com o processo de subalternização, e de que é preciso desconstruir a ideia de hierarquização de saberes, promovendo a apropriação do espaço escolar pelos estudantes.


Palavras-chave


Pedagogia Decolonial; Etnomatemática; Formação de Professores

Texto completo:

pdf

Referências


Alarcão, I. (2001) Professor-investigador: Que sentido? Que formação? In: Campos, B. P. (Org.). Formação profissional de professores no ensino superior. (v. 1, p. 21-31). Porto: Porto Editora.

Alrø, H.&Skovsmose, (2006). O. Diálogo e aprendizagem em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica. apud Nacarato, A. M.; Mengali, B. L. S. &Passos, C. L. B. (2015). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. 2. ed. – Belo Horizonte: Autêntica.

Apple, M.W. (1995) Takingpowerseriously: new directions in equity inmathematicseducationandbeyond. In: Secada, W.; Fennema, E.; Adajian, L. B. (Eds.). New directions for equity in mathematics education. (p. 329-345). New York: Cambridge University Press.

Araújo, J. L.; Borba, M. C. (2013). Construindo pesquisas coletivamente em Educação Matemática. In: Borba, M. C.; Araújo, J. L. (orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. (p. 31-51) Belo Horizonte: Autêntica.

Arisi, M. B; Fernandes, E. R. (2017). Gay Indians in Brazil: UntoldStoriesoftheColonizationofIndigenousSexualities. 1st ed. Buch. xi, 70 S.: 1 s/w-Abbildung, Bibliographien. Hardcover

Brito, A. J.; Alves, F. T. O. (2013) Profissionalização e saberes docentes: análise de uma experiência em formação inicial de professores de Matemática. In: Nacarato, A. M.; Paiva, M. A. V. (Org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 3. ed. – Belo Horizonte: Autêntica, p. 27-42.

Carrijo, M. H. S. (2014).O resgate do poder social da matemática a partir da educação matemática crítica: uma possibilidade na formação para a cidadania. Revista Paranaense de Educação Matemática, Vol.3, No.5.

D’ambrósio, U. (1997). Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athenas.

________. (2002)Etnomatemática.Elo entre as tradições e a modernidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica.

________. (1998) Etnomatemática: Arte ou técnica de explicar ou conhecer. 5 ed. São Paulo: Ática.

Domingues, K. C. M. (2003) O currículo com abordagem etnomatemática. In: Educação Matemática em Revista. São Paulo, v. 10, n. 14, p. 35-44. Ago. 2003.

Ellington, R.E.; Prime, G. (2011). Reconceptualizing quality and equity in the cultivation of minority scholars in mathematics education. In: Atweh, B. et al. (Eds.). Mapping equity and quality in mathematics education.(p. 423-435). London New York: Springer Netherlands.

Esquincalha, A. C. (2004) Etnomatemática: Um estudo da evolução das ideias In: Anais do VIII ENEM, Recife. Disponível em: acesso em 04 ago. 2014.

Fleuri, R. M. (2012). Educação intercultural: decolonializar o poder e o saber, o ser e o viver. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 7-22, jan./dez. Disponível: editora. unoesc.edu.br/index.php/visaoglobal/article/viewFile/3408/1507. Acesso em: 22julh2015.

Forproex. (2012) Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus. Disponívelem:https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdfAcessoem: 15 out. 2017.

Goldenberg, M. (1999)A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. X. Ed. Rio de Janeiro: Record.

Gutiérrez, R.(2002).EnablingthePracticeofMathematicsTeachers in Context: Toward a New EquityResearch Agenda. MathematicalThinkingand Learningv. 4, n. 2-3, p. 145-187.

Hilliard, A. (2003) No mystery: closing the achievement gap between Africans and excellence. In: Perry, T.; Steele, C.; Hilliard, A. (Eds.). Young, gifted and black: promoting high achievement among African American students. Boston: Beacon. p. 131-165.

Lubienski, S.T. (2008). On “gapgazing” in mathematics education: the need for gaps analyses. Journal for Research in Mathematics Education, v. 39, n. 4, p. 350-356.

Mészáros, I. (2002). Para além do capital. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, L. F, Candau, V. M. F. (2010) Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. In: Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, nº 01, p. 15 - 40.

Rawls, J. (2002). Uma teoria da justice. Tradução de Almiro Pisetta e Linita Maria Rímoli Esteves. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Robinson, J.P.; Lubienski, S.T. (2011) The development of gender achievement gaps in mathematicsandreadingduringelementaryandmiddleschoolexaminingdirectcognitiveassessmentsandteacher ratings. American Educational Research Journal, v. 48, n. 2, p. 268-302.

Serrazina. L.(2003).A formação para o ensino da matemática: perspectivas futuras. Educação. Matemática em Revista – SBEM, ano 10, n. 14, p. 67-73.

Silva, G. H. G. (2016) Equidade e educação matemática. Educação Matemática Pesquisa, v. 18, n. 1, p. 397-420.

Tardif, M. (2014).Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

Walsh, C. (2007).Interculturalidad Crítica/Pedagogia decolonial. In: Memórias Del Seminario Internacional Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad, Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional 17-19 de abril de 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador