CONCEPÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE ACADÊMICOS DA FORMAÇÃO EM CICLOS EM SAÚDE

Gustavo Marques Porto Cardoso, Renata Meira Véras, Maria Thereza Ávila Dantas Coelho

Resumo


Objetivo: identificar as concepções de Promoção da Saúde dos estudantes do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e sua reflexão no ensino sobre saúde. Métodos: como estratégia metodológica, optou-se por uma abordagem qualitativa de cunho descritivo, mediante levantamento de dados primários. A população é composta de 168 acadêmicos do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da UFBA. Os dados foram coletados por meio da aplicação de um questionário estruturado enviado eletronicamente e foram analisados através da Análise de Conteúdo, à luz de Bardin. Resultados: Através dos dados obtidos, os estudantes são na sua maioria do sexo feminino, egressos de escolas privadas, onde estudaram predominantemente no turno diurno do BI Saúde, moram em casa ou apartamento com a família, possuindo renda de 1 a 3 salários mínimos. O principal meio de transporte é o coletivo (ônibus ou van) e a maioria não acessa o curso por meio do sistema de cotas. Conclusões: Conclui-se que há uma predominância, entre os estudantes, por definirem a Promoção da Saúde como sinônimo de bem-estar e qualidade de vida.


Palavras-chave


Universidades; Promoção da saúde; Formação profissional em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalheiros JR, Marques MCC, MOTA AA construção da Saúde Pública no Brasil no século XX e início do século XXI. In: Rocha AA, Cesar CLG, Ribeiro H (Org.). Saúde Pública: bases conceituais. 2. ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2013. p. 01-18.

Westphal MF. Promoção de Saúde: uma Nova Agenda para a Saúde. In: Rocha AA, Cesar CLG, Ribeiro H (Org.). Saúde Pública: bases conceituais. 2ª ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2013. p. 163-98.

Oliveira DL de. A ‘nova’ saúde pública e a promoção de saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Rev. Latino-Americana de Enfermagem [periódico da internet]. 2005 [acesso em 2015 Mar 18]; 13(3):423-31. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/65577/000539415.pdf?sequence=1.

Paim JS, Almeida Filho N de. Saúde coletiva: uma “nova saúde pública” ou campo aberto a novos paradigmas?. Rev. de Saúde Pública [periódico na Internet]. 1998 [acesso em 2015 Mar 18]; 32(4):299-316. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/24383/26307.

Carvalho SR. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciência & Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2004 [acesso em 2015 Jan 05]; 9(3):669-78. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n3/a13v09n3.pdf.

Santos JLF, Westphal MF. Práticas emergentes de um novo paradigma de saúde: o papel da universidade. Estudos Avançados [periódico na Internet]. 1999 [acesso em 2015 Mar 19]; 13(35):71-88. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/viewFile/9458/11026.

Almeida Filho, N de. As três culturas na Universidade Nova. Ponto de Acesso [periódico na Internet]. 2007 [acesso em 2014 Dez 20]; 1(1):5-15. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/1390/872.

Backes MTS, Rosa LM, Fernandes GCM, Becker SG, Meirelles BHS, Santos SMA. Conceitos de saúde e doença ao longo da história sob o olhar epidemiológico e antropológico. Rev. Enfermagem [periódico na Internet]. 2009 [acesso em 2015 Jan 08]; 17(1):111-17. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n1/v17n1a21.pdf.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: HUCITEC; 2008.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. Tradução Ricardo Demétrio de Souza Petersen. 6 ed. Porto Alegre: Artmed; 2012.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Campos CJG. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Brasileira de Enfermagem: ABEn [periódico na Internet]. 2004 [acesso em 2014 Nov 12]; 57(5):611-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n5/a19v57n5.pdf.

Vendruscolo C, Verdi M. Promoção da Saúde: representações sociais de estudantes dos cursos de graduação na área da saúde. Sal. & Transf. Soc. [periódico na Internet]. 2011 [acesso em 2015 Mar 02]; 1(2):108-15. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265319571015.

Aguiar ASC de, Mariano MR, Almeida LS, Cardoso MVLML, Pagliuca LMF, Rebouças CB de A. Percepção do enfermeiro sobre promoção da saúde na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. da Escola de Enfermagem [periódico na Internet]. 2012 [acesso em 2015 Mar 03]; 46(2):428-35. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=361033316022.

Organização Mundial da Saúde. Documento de constituição da Organização Mundial de Saúde. Genebra: OMS; 1946.

Faria JB de, Seidl EMF. Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doença: revisão de literatura. Psicologia: Reflexão e crítica [periódico na Internet]. 2005 [acesso em 2015 Mar 06]; 18(3):381-89. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a12v18n3.pdf.

Waltrick CR. Concepções de saúde e promoção à saúde dos estudantes de medicina da UFSC [Graduação em Medicina]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina; 2001.

Mascarenhas CV. Promoção da saúde: representações sociais de acadêmicos dos cursos de graduação na área da saúde [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

Campos L, Carniel R de, Azambuja GH, Bottan ER. Concepções e práticas de promoção da saúde segundo acadêmicos de odontologia em Santa Catarina-Brasil. Rev. Bras. Promoç. Saúde [periódico na Internet]. 2012 [acesso em 2015 Fev 12]; 25(3):321-27. Disponível em: http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/2262/2489.

Caponi S. Georges Canguilhem y el estatuto epistemológico del concepto de salud. História, Ciência, Saúde – Manguinhos [periódico na Internet]. 1997 [acesso em 2015 Fev 21]; 4(2):287-307. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v4n2/v4n2a05.pdf.

Coelho MTÁD, Santos VP, Rocha DMP, Teixeira F de S. Concepções e práticas de saúde e doença entre alunos da primeira turma do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da UFBA. In: Teixeira, C de F, Coelho MTÁD (Orgs.). Uma Experiência Inovadora no Ensino Superior: Bacharelado Interdisciplinar em Saúde. Salvador: EDUFBA; 2014. p. 207-17.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2000 [acesso em 2015 Jan 11]; 5(1):163-77. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v5n1/7087.pdf.

Seidl EMF, Zannon CML da C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública [periódico na Internet]. 2004 [acesso em 2014 Nov 26]; 20(2):580-88. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n2/27.pdf.

Nahas MV, Barros MVG de, Francalacci V. O pentáculo do bem-estar – base conceitual para avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Revista Brasileira Atividade Física & Saúde [periódico na Internet]. 2000 [acesso em 2014 Mai 17]; 5(2):48-59. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/viewFile/1002/1156.

Fleck MP de A. Problemas conceituais em qualidade de vida. In: Fleck, MP de A. et al. A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 19-28.

Xavier C. Mídia e saúde, saúde na mídia. In: Santos A. (Org.). Caderno mídia e saúde pública. Belo Horizonte: FUNED; 2006. p. 43-55.

Sebold LF, Radünz V, Carraro TE. Percepções sobre cuidar de si, promoção de saúde e sobrepeso entre acadêmicos de enfermagem. Esc. Anna Nery [periódico na Internet]. 2011 [acesso em 2015 Fev 20]; 15(3):536-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v15n3/a14v15n3.pdf.

Czeresnia D. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia D, Freitas CM (Org.). Promoção de saúde: conceitos, reflexões, tendências. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009. p. 39-53

World Health Organization. European Working Group on Health Promotion Avaluation. Health promotion evaluation: recomendations to policy-makers. Copenhage: WHO;1998.

Brasil. Ministério da Saúde. As cartas da Promoção da Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde [acesso em 2014 Out 12]. 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf.

BRASIL. Lei n° 8142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União 28 dez 1990.

Almeida Filho N de. Intersetorialidade, transdisciplinaridade e saúde coletiva: atualizando um debate em aberto. Rev. de Administração Pública [periódico na Internet]. 2000 [acesso em 2014 Fev 10]; 34(6):11-34. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewFile/6345/4930.

Pelicioni MCF, Pelicioni AF, Toledo RF de. A Educação e a Comunicação para a Promoção da Saúde. In: Rocha AA, Cesar CLG, Ribeiro H (Org.). Saúde Pública: bases conceituais. 2. ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2013. p. 165-77

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra;1970.

CANDEIAS NMF. Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev. de Saúde Pública [periódico na Internet]. 1997 [acesso em 2015 Mar 04]; 31(2):209-13. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v31n2/2249.pdf.

Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, artes e Ciências. Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde. Salvador: UFBA; 2010.


Apontamentos