ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO PERÍODO 2008-2015 NO ESTADO DE SERGIPE

FERNANDA SANTANA OLIVEIRA, ANDRÉ LUIZ DE JESUS MORAES, MARIA ADRIANA DE SOUZA SOBRAL

Resumo


Objetivo: apresentar o panorama de casos de AIDS no estado de Sergipe, Brasil, nos anos de 2008-2015, determinando sua distribuição espacial e temporal, levando-se em consideração os aspectos epidemiológicos. Método: estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo e quantitativo, realizado no período 2008-2015, com dados obtidos a partir do DATASUS. Resultados: Foram registrados no estado 2.439 casos de AIDS, uma média anual de 305 casos no período 2008-2015. O município com maior índice de casos é a 15ª menor cidade do estado, com um índice de 53,1 casos/100 mil hab. A faixa etária mais acometida pela síndrome está entre 30-49 anos, com um aumento significativo em todas as idades no último ano do estudo, com exceção apenas dos <5 anos. O sexo mais acometido é o masculino, com um índice de 75,2 casos/100 mil habitantes, tendo a razão de sexo M/F de aproximadamente 2:1. A categoria de exposição prevalente é a heterossexual, mostrando que a maior via de contágio no estado é a sexual. A raça/cor que prevalece nos números de diagnosticados no período é a parda. Conclusão: Com esse estudo, fica evidente que o estado de Sergipe passa por um retrocesso no combate a AIDS, necessitando de intervenções públicas mais eficazes.

Palavras-chave


Síndrome da imunodeficiência adquirida; Epidemiologia; Sorodiagnósticos

Texto completo:

PDF

Referências


ONU. Organização das Nações Unidas. A ONU e a resposta à aids no Brasil. ONUBR, 2016. [Acesso em 29 set. 2016]. Disponível em: http://unaids.org.br/ wpcontent/uploads/2016/03/ A-ONU-e-a-resposta-PORTUGU%C3%8AS.pdf.

Cordeiro LP, Silva NSR; Barbosa SP. Conhecimento e comportamento sobre DST/AIDS entre acadêmicos do curso de Enfermagem do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais. Revista Enfermagem Integrada – Ipatinga: Unileste-MG, 2009. Jul-Ago; V.2-N.1. [Acesso em 03 abr. 2017]. Disponível em: https://www.uni lestemg.br/enfermagemintegrada/artigo/v2/Larissa_cordeira_Nayara_silva_e_Simone_barbosa.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites. Boletim Epidemiológico da AIDS. Ano IV – nº 01. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. 100 p. [Acesso em 02 out. 2016]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/publicacao/2015/boletim-epidemiologico-aids-e-dst-2015.

Silva ITS, Silva DC, Salvetti MG, Torres GV, Silva RAR, Souza NL. Perfil dos casos de síndrome da imunodeficiência adquirida em um estado do Nordeste do Brasil. Rev Enferm UFSM, 2014. Out/Dez;4(4):727-738.

Martins TA, Kerr LRFS, Kendall C, Mota RMS. Cenário epidemiológico da infecção pelo HIV e AIDS no mundo. Rev Fisioter S Fun, 2014. Jan-Jun; 3(1):4-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites. Boletim Epidemiológico da AIDS. Ano V – nº 01. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 64 p. [Acesso em 02 de out. 2016]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59291/boletim_2016_1_pdf_16375.pdf.

Silva AG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. Fatores associados à não adesão aos antirretrovirais em adultos com AIDS nos seis primeiros meses da terapia em Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2015. Jun. 31(6):1188-1198.

Hallal R, Ravasi G, Kuchenbecker R, Greco D, Simão M. O acesso universal ao tratamento antirretroviral no Brasil. Revista Tempus Actas em Saúde Pública, 2010. 4:53-66.

Lopes EM, Pedrosa NL, Holanda ER, Almeida RLF, Kerr LRFS, Galvão MTG. AIDS em crianças: a influência dos diferenciais socioeconômicos no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2015. 31(9):2005-2016.

Faria KR, Ávila RLP, Ferreira TKA, Coelho EJB, Almeida MEF, Guedes HM. Comportamentos de risco quanto ao Vírus da Imunodeficiência Humana entre caminhoneiros. Rev Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2015. Jan-Fev; 23(1):27-32.

Silva SFR, Pereira MRP, Neto RM, Ponte MP, Ribeiro IF, Costa TF et al. AIDS no Brasil uma epidemia em transformação. Rev Bras Anal Clin, 2010. 42(3):209 -12.

Grangeiro A, Castanheira ER, Nemes MIB. A re-emergência da epidemia de aids no Brasil: desafios e perspectivas para o seu enfrentamento. Interface Comun Saúde Educ, Botucatu, 2015. 19(52):5-6.

Pereira BS, Costa COM, Amaral MTR, Costa HS, Silva CAL, Sampaio VS. Fatores associados à infecção pelo HIV/AIDS entre adolescentes e adultos jovens matriculados em Centro de Testagem e Aconselhamento no Estado da Bahia, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva, 2014. 19(3):747-758.

Cabral JVB, Santos SSF, Oliveira CM. Perfil sociodemográfico, epidemiológico e clínico dos casos de HIV/Aids em adolescentes no estado de Pernambuco. Rev. Brasileira Multidisciplinar, 2015. Volume 18, nº 1. [Acesso em 08 abr. 2017]. Disponível em: http://www.uniara.com.br/legado/revistauniara/pdf/34/artigo _10.pdf.

Souza AR. Distribuição espaço-temporal da aids na Bahia, período 2002 a 2012. [Dissertação]. Bahia: Universidade Federal da Bahia. Instituto de Saúde Coletiva, 2014. [Acesso em 27 abr. 2017]. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handl e/ri/17392.

Stephan C, Henn CA, Donalisio MR. Expressão geográfica da epidemia de AIDS em Campinas, São Paulo, de 1980 a 2005. Rev Saúde Pública, 2010. 44:812-9.

Silva RAR, Duarte FHS, Nelson ARC, Holanda JRR. A epidemia da AIDS no Brasil: análise do perfil atual. Rev Enferm UFPE [online]., Recife, 2013. Out; 7(10):6039-8. [Acesso em 20 abr. 2017]. Disponível em: https://periodicos.ufpe. br/revistas/revistaenfermagem/article/view/12233/14841.


Apontamentos