ANÁLISE DO PERFIL DA SAÚDE DE SERVIDORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Carlos Aparecido Zamai, Antonia Dalla Pria Bankoff, Cláudia Maria Peres, Renata Cristina di Grazia

Resumo


Este estudo foi realizado pelo Programa Mexa-se Unicamp em2014 a2017 abrangendo 254 pessoas das áreas da saúde através da aplicação de questionário específico sobre itens relacionados a saúde e qualidade de vida. O objetivo deste foi analisar o perfil da saúde e qualidade de vida de servidores das áreas da saúde da Unicamp, abrangendo as áreas da saúde da Unicamp, sendo Hospital de Clínicas, Hemocentro, Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism), Faculdade de Ciências Médicas e Centro de Saúde da Comunidade (Cecom), encontrando resultados como: hipertensão arterial 59,3%; riscos cardíacos 30,4%; osteoporose 21,7%; diabetes 29,9%; artrose 21,7%; artrite 16,4%, bem como dores abrangendo diversas partes do corpo (cabeça, ombro, braços, costas e pernas).  Há alta incidência de dores, fatores de risco e doenças crônicas não transmissíveis entre os servidores analisados, mas também a necessidade de ampliação, da elaboração e divulgação de campanhas internas junto as áreas da saúde e administrativa para conscientização sobre a importância da pratica de atividades físicas dentro da Universidade, com intuito de melhorar a saúde e a qualidade de vida destes.


Palavras-chave


Saúde, Servidores, Área da saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Zamai CA et al. Estudo dos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre funcionários. Revista Conexões, Campinas, v. 6, n. 1, p. 14-30, 2008. Disponível em: http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ fef/viewarticle.php?id=%20265&layout=abstract

Zamai CA. Impacto das atividades físicas nos indicadores de saúde de sujeitos adultos: Programa mexa-se. Tese de doutorado. Unicamp, 2009. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/ ?code=000469078 Campinas, 2009.

Zamai CA, , Bankoff ADP, Moraes MA de M. Levantamento do índice de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre servidores da Unicamp. Revista Conexões v. 10, n. 1, 2012. Disponível em: http://fefnet178. fef.unicamp.br/ojs/index.php/fef/article/view/613

Gus I, Harzheim E, Zaslavsky C, Medina C, Gus M. Prevalence, awareness, and control of systemic arterial hypertension in the State Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v.83, p.429-33, 2004.

Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v.78, p.478-83, 2002.

Matos MFD, Silva NAS, Pimenta AJM, Cunha AJLA. Prevalence of risk factors for cardiovascular disease in employess of the research center at Petrobras. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v.82, p.5-8, 2004.

Rosini N, Machado MJ, Xavier HT. Study of the prevalence and multiplicity of cardiovascular risk factors in hypertensive individuals from the city of Brusque, SC, Brazil. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Brasil, v.86, p.219-22, 2006.

Valles M, Mate G, Bronsoms J, Campins M, Rosello J, Torquet P, Mauri JM. Prevalence of arterial hypertension and other cardiovascular risk factors among hospital workers. Medicina Clinica, Barcelona, v.108, p.613-4, 1997.

Viebig RF, Valero MP, Araújo F, Yamada AT, Mansur AJ. Cardiovascular health profi le of an adult population from the Metropolitan of São Paulo. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v.86, p.353-60, 2006.

Barel M.; Louzada, JCA de.; Monteiro, HL.; Amaral, SL da. Associação dos fatores de risco para doenças cardiovasculares e qualidade de vida entre servidores da saúde. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.24, n.2, p.293-303, abr./jun. 2010.

Hwang, L.C.; Tsai, C.H.; Chen, T.H. Overweight and obesity-related metabolic disorders in hosital employees. Journal of the Formosan Medical Association, Taipei, v.105, p.56-63, 2006.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atlas: corações do Brasil. São Paulo: SBC, 2005. v.1, p.40-54.

Organização Pan-Americana da Saúde. CARMEN – Iniciativa para Conjunto de Ações para Redução Multifatorial de Enfermidades Não Transmissíveis. Brasília: OPAS; 2003.

Planejamento Estratégico – Pró-Reitoria de desenvolvimento universitário. PLANES PRDU. Integrar ações que proporcionem qualidade de vida no trabalho. Campinas: PRDU/Unicamp, 2008.

Zamai CA, Bankoff ADP. Atividade física, saúde e qualidade de vida: esperiências bem sucedidas nas empresa, organizações e setor público. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

Campos M O, Rodrigues Neto JF. Doenças crônicas não transmissíveis: fatores de risco e repercussão na qualidade de vida. Revista Baiana de Saúde Pública. v.33, n.4, p.561-581 out./dez. 2009.

Collins JL, Giles HW, Holmes-Chavez A. Old dilemmas, new commitments: toward a 21st century strategy for community health promotion. Prev Chronic Dis [serial online] 2007 jul Extraído de [http://www.cdc.gov/pcd/ issues/2007/jul/07_0037.htm], acesso em [11 de julho de 2014].

Brousse C, Boisaubert B. Quality of life and scales measuring. La Revue de Médecine Interne 2007;28:458-62.

Dreher DZ, Godoy LP. A qualidade de vida e aprática de ativdades fisicas. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de produção, Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 2003.

Grünspan M. A prática de atividades físico-esportivas para profissionais do setor de serviços: um método de aprimoramento das condições psicofísicas no labor. UFSM, Dissertação de mestrado, Santa Maria, 2001.

Burguês V, Zamai CA. Análise dos benefícios da pratica de atividades físicas para grupos especiais do Programa Mexa-se. Trabalho de Conclusão de Curso. Campinas: Unip, 2011.

Morais FJT. de. Efeitos da intervenção multidisciplinar na qualidade de vida e parâmetros bioquímicos de adultos e crianças com excesso de peso. PUC Goiás, Goiânia: 2012.

Nahas MV. Atividade física e qualidade de vida. Núcleo de Pesquisas em Atividade Física & Saúde. UFSC, 2006.

Zamai CA. Atividade física, saúde e qualidade de vida. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.