LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE UM FRAGMENTO DE CERRADO EM RECUPERAÇÃO NO DISTRITO INDUSTRIAL DE TRÊS LAGOAS-MS.

Luan Ferreira Bordino, Maria José Neto, Rony Carlos Barcelos Blini

Resumo


RESUMO: O Cerrado brasileiro tinha originalmente, 204 milhões de hectares, dos quais 57% já não existem mais. O reduzido número de áreas protegidas não tem sido suficiente para garantir a conservação adequada de tão importante bioma que, além de recobrir aproximadamente um quarto do território nacional, recobre 65% do Estado de Mato Grosso do Sul, área de estudo em questão. A fragmentação de áreas contínuas pode ter causas antrópicas ou naturais, levado em conta a expansão humana, o tipo mais frequente e relevante é de origem antrópica. Tais informações forneceram subsídios justificáveis para que trabalhos fossem realizados em fragmentos deste bioma. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento florístico de uma área de Cerrado em regeneração existente no distrito industrial no Município de Três Lagoas/MS. Ao longo deste trabalho foram coletados 61 espécimes vegetais, dos quais 60 foram identificados em nível de espécie e somente 01 em nível de gênero. Estes espécimes estão distribuídos em 51 gêneros e 35 famílias. Dentre as que foram identificadas, a família Fabaceae foi a mais abundante com 08 espécies, seguida da família Apocynaceae com 05 espécies; as famílias Poaceae e Annonaceae apresentaram 04 espécies, as famílias Bignoniaceae, Moraceae, Malvaceae, Passifloraceae e Portulacaceae constaram com 02 espécies e o restante das mesmas com um representante, cada. Apesar de a área ter sofrido ação antrópica por anos seguidos, os resultados demonstraram boa representatividade de táxons geralmente encontrados em áreas típicas de Cerrado, o que demonstra que o local se apresenta em processo de recuperação. Sugere-se continuidade de levantamentos florísticos para que possam servir de subsídios para a implantação de programas de conservação e proteção da área em questão e outras similares.

Palavras chave: a) Cerrado            b) Florística          c) Regeneração


Palavras-chave


Cerrado, Florística, Regeneração

Texto completo:

PDF

Referências


-Myers N, Mittermeier, RA, Mittermeier, CG, Fonseca, GAB, Kent, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v.403, n. 6772, p.853-858.

- Ribeiro, JF; Walter, BMT. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, SM, Almeida, S.P, Ribeiro, JF. (Ed.). Cerrado: Ecologia e Flora. Embrapa Cerrados. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008, 2v. cap 6, p.151-199.

- Rodrigues, VEG; Rodrigues, DAC. Plantas medicinais no domínio dos Cerrados. Lavras: UFLA, 2001. 180p.

- Harley, RM; Giulietti, AM. Flores nativas da Chapada Diamantina. São Carlos: RiMa, 2004. 344p.

- Silva, DB, Silva, JÁ, Junqueira, NTV, Andrade, LRM. Frutas do Cerrado. Brasília: Informação Tecnológica, 2001. 178p.

- Ribeiro, JF; Walter, BMT. Fitofisionomia do bioma Cerrado. In; Sano, SM, Almeida, SP (Eds). Cerrado, ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA, 1998, p. 89-166.

- Strassburger, BBN. et al. Mmoment of truth for the cerrado hotspot. Nature Ecology & Evolution, v. 1, n. 0099, 2017.

- Aquino, FG; Miranda, GHB. Conseqüências ambientais da fragmentação de habitats no Cerrado. In: Sano, SM, Almeida, SP, Ribeiro, JF (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Cerrados/Embrapa Informação Tecnológica, 2008, 2 v. Cap 13, p.383-395.

- Sano, EE, Rosa, R, Brito, JS, Ferreira, LG. Mapeamento semidetalhado do uso da terra do Bioma Cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.43, n.1, p.153-156, 2008.

- Machado, RB. et al. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Brasília: Conservação Internacional, 2004. 26p. (Relatório técnico não publicado)

- Turner, IM. Species loss in fragments of tropical rain forest: a review of the evidence. Journal of Applied Ecology, Oxford, v. 33, n 2, p. 200-209, 1996.

- Scariot, A. et al. Vegetação e flora. In: Rambaldi, DM, Oliveira, DAS (Org.). Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. 2ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente: Secretaria de Biodiversidades e Florestas, 2005. P. 104-123.

- Aquino, FG; Miranda, GHB. Conseqüências ambientais da fragmentação de habitats no Cerrado. In: Sano, SM, Almeida, SP, Ribeiro, J.F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Cerrados/Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 2 v. Cap 13, p.383-395.

- Saunders, DA, Hobbis, RJ, Marquis, CR. Biological consequences of ecosystem fragmentation: a review. Conservation Biology, Malden, v.5, n.1, p.18-32, 1991.

- Hoffmann, WA. et al. Impact of the invasive alien grass Melinis minutiflora at the savanna-forest ecotone in Brazilian Cerrado. Diversity and Distributions, Oxford, v.10, n.2, p.99-103, 2004.

- Pivelo, VR, Carvalho, VMC, Lopes, PF, Peccinini, AA, Rosso, S. Abundance and distribution of native and invasive alien grasses in a "Cerrado" (Brazilian savanna) biological reserve. Biotropica, Zurich, v.31, n.1, p.71-82, 1999.

-Pivello, VR, Shida, CN, Meireller, ST. Alien grasses in Brazilian savannas: a threat to the biodiversity. Biodiversity and Conservation, Berlin, v.8, n.9, p.1281-1294, 1999.

-Correa Lagos, MC. Efeito de Borda em Fragmentos do Bioma Cerrado e Mata Atlântica [manuscito]. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biológicas, programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, Goiânia, 2017.

- Silver, WL, Hall, JS, Gonzáles, G. Differential effects of canopy trimming and litter deposition on litter deposition on litterfall and nutrient dynamics in a wet subtropical forest. Forest Ecology and Management, v. 332, p. 47-55, 2014.

- Durigan, G, Baitelo, JB, Franco, GADC, Siqueira, MF. Plantas do Cerrado Paulista: imagens de uma paisagem ameaçada. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 2004. 475p.

- Cava, MGB, Isernhagen, I, Mendonça, AH, Durigan, G. Comparação de técnicas para restauração da vegetação lenhosa de Cerrado em pastagens abandonadas. Hoehnea 43(2): p. 301-315, 2016.

- Gonzales, MI, Miranda, HS, Moreira, AG, Ribeiro, MCLB, Franco, AC. Pesquisa ecológica de longo prazo em uma unidade de conservação do IBGE. Brasília: Projeto em andamento. Disponível em: . Acessado em: 24 abr. 2010.

- Castro, EA; Kauffman, JB Ecosystem structure in the Brazilian Cerrado: a vegetation gradient of aboveground biomass, root mass and consumption by fire. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v.14, n.3, p.263-283, 1998.

- Ribeiro, JF; Walter, BMT. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, SM, Almeida, SP, Ribeiro, JF (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 2v. Cap 6, p.151-199.

- Filgueiras, TS, Brochado, AL, Nogueira, PE, Guala, GF. Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Caderno de Geociências, Rio de Janeiro, v.12, n.4, p.39-43, 1994.

- APG IV. (2016). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: Botanical Journal of the Linnean Society 181: p. 1–20.

- Mantovani, W; Martins, FR. 1993. Florística do Cerrado na reserva biológica de Moji Guaçu, SP. Acta Botânica Brasilica, 7(1), p.33-60.

- Andrella, GC; Neto, MJ. Levantamento florístico dos arredores do Parque das Capivaras, Três Lagoas-MS. Revista Saúde e Meio Ambiente – RESMA, Três Lagoas, v, 5, n.2, p. 70-77, 2017.

- Neto, MJ, Otsubo, HCB, Cassiolato, AMR 2010. Plantas Ruderais – Campo Grande, MS: Ed: UFMS. 350p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.