Das representações mentais na gestação as frustrações pós parto: Um campo para a Psicanálise

Romário Machado Ferreira, Franklin Jefferson Moreira Elias, Alexandre Augusto Macêdo Corrêa

Resumo


A psicanálise está em diversos estudos como protagonista, por causa da relação entre as ciências médicas e as psicológicas e por estar entrelaçada na tríade da construção humana, voltando o olhar para o físico, psíquico e social. O presente estudo tem como objetivo apresentar a correlação entre psicanálise e obstetrícia e os fatores psicológicos advindos desta relação, bem como a atuação do psicanalista no processo. Sobre o método, trata-se de uma pesquisa qualitativa, de finalidade básica, caracterizada por referência bibliográfica de cunho explicativo. A pesquisa foi realizada nas bases de dados Bvs e SciELO, com os descritores:  obstetrícia, gestante, parto e psicanálise, entre o período de junho a novembro. Este trabalho teve como objetivo revisar os processos psicológicos através do olhar psicanalítico no período de gestação e nascimento de um sujeito, pontuando algumas etapas e suas cargas emocionais e psíquicas que tendem a ser geradas na gestante e em seu contexto familiar. Portanto, as releituras permitiram compreender que os pensamentos e a verbalização dessas fantasias necessitam de um apoio profissional para ajudar essa mãe a elaborar suas representações e com consequência melhorar a relação com o bebê que irá nascer.


Palavras-chave


Obstetrícia; fantasias; bebê; psicanálise.

Texto completo:

PDF

Referências


-Brazelton, TB., & Cramer, B. G. (1992). As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes.

-Bleichimar, ED. O feminismo espontâneo da história. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

-Camacho, KG, Vargens, O.M.C, Progionti, J.M, e Spindola, T. (2010) Vivenciando as repercussões e transformação de uma gestação: Perspectivas de gestantes. Ciência y Enfermeiro. Concepcion, 16(2), 115 -125.

-Ferrari, AG; Piccinini, C.A; Lopes, R.C.S. O bebê imaginado na gestação: aspecto teóricos e empíricos. Psicologia em estudo. Maringá. Vol. 12, n.2 (maio. /agos.2007), p.305-313.

-Ferreira, F S O impacto Psicológico nas mães pelo nascimento de uma criança com símdrome de down. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0884.pdf Acesso em 31 de outubro de 2017.

- Fleck, A. Piccinini, CA. O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade: do nascimento ao 3º mês após a alta. Aletheia no .40 Canoas abr. 2013

-Lebovici, S. (1987). O bebê, a mãe e o psicanalista. Porto Alegre: Artes Médicas.

-Lopes, RCS; Donelli, T. S; Lima, C. M; Pittinini, C. A. O antes e o depois: expectativas e experiência de mães sobre o parto. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicologia: reflexão e criticas, 2005, 18 (2), p. 247-254.

-Lovo, LMA et al. O trabalho de parto como fenômeno psicossomático. 2009.

-Mondardo, LM. Um olhar psicanalítico sobre a vida intrauterina e a constituição psíquica do feto. 2009.

-Velho, BM; Santos, EKA; Bürgguermann, O. M; Camargo, B. V. Vivencia do parto normal ou cesáreo: Revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Enfermagem, Florianopolis, 2012, Abr-jun; 21 (2): 458-466.

-Pio, DAM; Capel, M. S. O significado do cuidado na gestação. Rev. Psicol. Saúde. Vol. 7 no. 1 Campo Grande, jun. 2015.

-Oliveira, GI; Poletto, M. Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Rev. SPAGESP vol.16 no.2 Ribeirão Preto. 2015.

-Vasconcelos, L. Impacto da malformação fetal: enfrentamento e indicadores

Afetivos da gestante. 2009. 176 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia Ciências e

Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.