LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO POMBO, MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS-MS

Maria José Neto

Resumo


Com o objetivo de ampliar o acervo dos conhecimentos florísticos no estado de Mato Grosso do Sul, procedeu-se o levantamento florístico do Parque Natural Municipal do Pombo, município de Três Lagoas. A pesquisa foi realizada no período de dezembro de 2011 a agosto de 2012, como parte do plano de manejo da referida área. Os dados obtidos permitiram identificar 403 espécimes de plantas, sendo 402 espécies e uma subespécie, distribuídas em 275 gêneros e 87 famílias. As famílias mais numerosas foram Apocynaceae com 14 espécies, Asteraceae (Compositae) com 11 espécies, Bignoniaceae com 16 espécies, Cyperaceae com 14 espécies, Fabaceae com 58 espécies, Malpighiaceae com 12 espécies, Malvaceae com 18 espécies, Melastomataceae com 17 espécies, Myrtaceae com 18 espécies, Poaceae com 16 espécies e Rubiaceae com 19 espécies. Estas onze famílias contribuíram com aproximadamente 53% do total de espécies, as demais famílias com 47%. A família Fabaceae (Leguminosae), a mais numerosa contribui com quase 15% do total das espécies. Destacam-se como espécies raras: Centropogon cornutus (L.) Druce (Campanulaceae); Gaylussacia brasiliensis (Spreng.)Meisn. (Ericaceae); Sisyrinchium vaginatum Spreng. (Iridaceae); Cleistes rodriguesii (Cogn.) Campacci e Eulophia alta (L.) Fawc. & Rendle (Orchidaceae); Ferdinandusa speciosa (Pohl) Pohl (Rubiaceae). Os gêneros mais representativos foram Byrsonima, Eugenia e Miconia com 7 espécies cada e Annona, Mimosa e Solanum com 5 espécies cada. Os resultados obtidos acentuam a importância do estudo e conservação de remanescentes de Cerrado da região.


Palavras-chave


Florística, Cerrado, Vegetação Típica de Cerrado

Texto completo:

PDF

Referências


Durigan, G.; Baitelo, J.B.; Franco, G.A.D.C.; Siqueira, M.F. Plantas do cerrado paulista - imagens de uma paisagem ameaçada. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 2004. 475p.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v.403, n. 6772, p. 853-858.

Machado, R. B.; Ramos Neto, M. B.; Pereira, P. G. P.; Gonçalves, D. A.; Santos, N. S.; Tabor, K.; Seininger, M. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Brasília, DF: Conservação Internacional, 2004. 26p. (Relatório técnico não publicado)

Noss, R.F.; Csuti, B. Habitat fragmentation. In: Meffe, G.K.; Carrol, C.R. (Ed.). Principles of conservation biology. 2ed. Suderland: Sinauer Associates, 1987.p.269-304.

Sano, E.E.; Rosa, R.; Brito, J.L.S.; Fereira, L.G. Mapeamento semi-detalhado do uso da terra do Bioma Cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.43, n.1, p.153-156, 2008.

Neto, M.J.; Otsubo, H.C.B.; Cassiolato, A.M.R. Plantas Ruderais. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2010. 364p.

Eiten, G. Vegetação do Cerrado In: Pinto, M.N. (Ed.). Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. 2. ed. Brasília: UNB- SEMATEC, 1993. 681p.

Ribeiro, J.F.; Walter, B.M.T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, S.M.; Almeida, S.P.; Ribeiro, J.F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 2.v. Cap 6, p.151-199.

Oliveira-Filho, A.T.; Fontes, M.A.L. Patterns of floristic differentiation among Atlantic forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, Zurich, v.32, n.4b, p.793–810, 2000.

Warming, E. Lagoa Santa. In: Warming, E.; Ferri, M.G. Lagoa Santa: a vegetação de cerrados brasileiros. São Paulo: EDUSP, 1973. Belo Horizonte: Itatiaia, p.1-284. (Original de 1892.)

Mendonça, R.C.; Felfili, J.M.; Walter, B.M.T.; Silva-Jr, M.C.; Rezende, A.V.; Filgueiras, T.S.; Nogueira, P.E. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, S.M.; Almeida, S.P.; Ribeiro, J.F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 2.v, 1.279p.

Peixoto, A.L. Coleções biológicas de apoio ao inventário, uso sustentável e conservação da biodiversidade. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2003. 228p.

Ribeiro, J.F.; Walter, B.M.T. Fitofisionomia do bioma Cerrado. In; Sano, S.M.; Almeida, S.P. (Eds). Cerrado, ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA, 1998. p 89-166.

Judd, W.S.; Campbell, C.S.; Kellogg, E.A.; Stevens, P.F.; Donoghue, M.J. Sistemática vegetal: um enfoque filogenético. 3. ed Porto Alegre: Artmed, 2009. 632 p.

Filgueiras, T.S.: Brochado, A.L.: Nogueira, P.E.; GUALA, G.F. Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Caderno de Geociências, Rio de Janeiro, v.12, n.4, p.39-43, 1994.

Angiosperm Phylogeny Group II. An update of the angyosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v.41, n.11, p.399-436, 2003.

The Plant List. Disponível em: Acesso em agosto/setembro, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.